Amargo [lenita claro]



Amargo

Amanhece. Dia escuro, úmido. Vontade de não sair da cama.
O cheiro do café no coador de pano me desperta.
Cheiro bom. Mas não o amargo. Misturo leite.
A mistura me abraça e aquece.
Talvez tenha que parar de tomar leite.
Já não como carnes vermelhas, trigo.
No meu sangue o açúcar teima em subir e descer, como montanha russa.
Me traz tonturas, fraquezas, suores frios.
Dói-me a cabeça, os músculos, o coração.
Corpo cansado?
Talvez tenha que me alimentar de plantas.
Talvez tenha que me alimentar de prana.
Quem sabe tudo fique mais leve?
Talvez tenha que me acostumar ao café puro.
Talvez tenha que garimpar doçura no amargo na vida.


Lenita Claro

Niterói, 12  de janeiro de 2016, 8:20h.

Comentários

As mais vistas