ERRANTE


Maria Amélia Mano

O pior naufrágio é não partir
Amyr Klink

                Lembro aqui a figura de um barquinho de papel, desses de criança, feito de dobradura que também pode ser, em um dado momento da dobra, da obra, chapéu de soldado ou palhaço (melhor, palhaço!). Pois esse barquinho, em uma dada composição fotográfica artística e literária, na água, tinha a palavra escrita em sua “borda”: “errante”. Em um outro momento, lia-se: “viaja-me” e ainda, “navega-me” e “naufraga-me a voz”. Jeitos novos de fazer navegar em palavras, que sempre é preciso.

                O texto inicial* do Mia Couto me fez lembrar dessa imagem poética e também da minha trajetória, especialmente quando ele diz: “sobrevivemos porque fomos eternos errantes, caçadores de acasos, visitantes de lugares que ainda estavam por nascer”. O errante que o Mia se refere é o da errância nômade que, na verdade, é sinônimo de vagamundo, sem norte, sem destino. Algo resgatado por Nélida Piñon, quando fala de suas memórias em Coração Andarilho. Mulher que se divide entre dois mundos, o galego e o brasileiro, tal qual eu me divido entre ser nordestina e sulista, ela dá um outro ar ao errante, menos irresponsável e mais romântico.

                Mas quero trazer o errante também de quem se equivoca, se atrapalha, de quem comete erro. Porque falar de si é um pouco contar de missões, sinas, trajetórias de conquistas. E eu quero falar de mim pelo erro. Abraço o erro com tamanha gratidão! Foi por não ter passado em arquitetura e engenharia civil que estou aqui. Foi por ter passado depois de uns três anos de tentativa no vestibular pra medicina é que aprendi a estudar sozinha. Foi por ter feito uma redação péssima que fiquei pra segunda chamada e isso me deu imensas oportunidades depois.

                Uma delas em programa de extensão – Universidade Solidária - no sertão baiano, onde descobri a saúde comunitária assim como descobri a educação popular, em área indígena amazônica, depois. Ou elas me descobriram. Óbvio que tudo coroado de alguns riscos e paixões não correspondidas, dores de cotovelo e lágrimas na chuva. E por essas dores também corri atrás, permaneci ou fugi de experiências que me deram, depois, imensos significados e aprendizados pessoais e profissionais. Também pelo coração partido, estou aqui.

                No mestrado, meu sujeito de pesquisa me escolheu porque minhas escolhas eram todas equivocadas. Assim, me envolvi, sem querer com um babalorixá e até hoje estou envolvida com o candomblé em projeto de saúde nos terreiros. Por essa mesma pesquisa é que comecei a estudar cultura, espiritualidade, religiosidade, magia e a história oral. Narrativa que persiste na escrita parceira de um blog de experiências e sentimentos cotidianos que iniciou por desabafo e refúgio, sem pretensão. E já virou mesa redonda, palestra, oficina e vai virar livro.

                E foi porque não passei em um concurso para docente é que permaneci no lugar onde estou o que me permitiu desenvolver, em parceria, um projeto de história oral, memória e narrativa com a comunidade. O doutorado nasce da exaustão desse projeto de memória e narrativa com a comunidade. Ou seja, mais do que ganhar, aprendi a perder e a ressignificar.

                Verdade que amo e acredito em tudo que faço. Mas a saúde coletiva e tudo o que fiz e sou são fruto de muita escolha que não fiz, mas que me fizeram e me fazem atenta ao mundo, cada vez mais. Brinco com o Mia Couto e digo que sobrevivo porque, além de teimosa e apaixonada, atrapalhada, sou errante, caçadora de acasos. Errante nos dois significados estampados nesse barquinho de papel em desconhecido mar que, agora, deixo que me leve.


*texto inspirado no texto “O incendiador de Caminhos” do livro de Mia Couto, “Se Obama fosse Africano”. É texto produzido em disciplina do PPG Saúde Coletiva da UFRGS, apresentado dia 30/08/2016.

Comentários

As mais vistas