Pequenices




Um pouco da Maria Amélia Mano e do dia de hoje. 



A partida que não foi. A mãe que abraça o repórter. A vaia que não se sucede. As reportagens engasgadas. O jornalismo que não acontece, que não se endurece. O time adversário que acolhe. Os inúmeros ícones, cores, bandeiras, que cobrem corações humanos. As torcidas que são pessoas. Grandes imagens, pequeno estádio, pequena cidade, pequeno interior. Da mulher que cuidou das flores, com carinho. O jornalista que agradece o abraço, sem reportagem.  As quebras sem fim dos protocolos. Do eco da torcida do time rival. Um dia cinza, de jogo bom de chuva, de eterno sucesso. E uma bola que não rolou. O título simbólico, que transcende o apito do juiz. Além do campo, da arquibancada, de filhos novos, e filhos perdidos – mais do que 11. Da arena repleta de torcida sem jogo. Dos pequenos gestos que pervertem o mundo dos “grandes”, os grandes do futebol, da política. Os balões que não voaram. As pequenices que são humanas.


03.12.16
Mayara Floss

Comentários

As mais vistas