Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Cuidado

Desci no interior após alguns quilômetros de estrada de chão. Sentei embaixo do cedro em frente a casa da benzendeira, não sem antes pedir quem era o último da fila. Ali todos se organizavam, assim, calmamente a espera para uma benzedura leva de uma à quatro horas.  
Lá num lugar quieto só com o barulho do trator ao longe e uma ou outra conversa chegou de repente uma ambulância de uma cidade próxima. Uma ambulância que depois de sair do hospital, passou levar as pessoas até a benzedeira, como estava do lado de fora ajudei o motorista a manobrar e estacionar o carro grande demais para as estreitas ruas do interior.  
Quando puxou o freio de mão. Uma família desceu do carro devagar e sentaram na fila de espera. "Como é paciente de ambulância tem prioridade" explica a benzedeira que leva eles para o quarto onde benze. Saem sorrindo e voltam para a ambulância. O motorista diz que toda semana alguém pede para passar na benzedeira. 
Abraços que pousam, Mayara 




Últimas postagens

TARDE DE JULHO

"Toda cidade tem suas baratas" [Julio A. Wong Un]

SE CORRER O BICHO PEGA SE FICAR O BICHO COME

A VIDA BATE

Assim. Tempo instantâneo estático. Misturas. [Julio Wong Un]

ABSURDO?

O RESGATE DO BEM CUIDAR - TED Unisinos [Maria Amelia Medeiros Mano]

Das heranças, das eternidades, dos instantes [Julio Alberto Wong Un]

QUALQUER COISA...

Fe sem certezas [eymard Vasconcelos]